Pesquisar este blog

domingo, 26 de março de 2017



Isso é o que realmente podemos chamar de felicidade... O passado deixou de ser nossa realidade e  o futuro ainda não chegou, então tudo é definitivamente o presente. E se a gente se concentra em valorizar as pequenas frações do momento em que estamos vivendo, focaremos naquilo que é essencial para nós: a nossa vida. Vivenciar com alegria o que temos agora e agradecer por tudo, tudo mesmo, é a melhor maneira de abrir os caminhos para maiores possibilidades. 


Abraços fraternais





domingo, 12 de março de 2017



domingo, 5 de março de 2017

Falta de tempo é só uma desculpa...


Mais pura realidade... 
Tempo? Tenho sim e sei que tenho.
Planos? Muitos e a maioria deles coisas simples, possíveis de serem feitas.
Mas decido que estou muito cansada, que o dia foi cheio, que tenho tantas coisas para fazer que quando sobrar um tempinho executo. 
De repente, esse tempinho sobra. E o que faço?
Qualquer coisa, menos aquilo que havia planejado para quando tivesse tempo.
É assim frequentemente... Chamam isso de procrastinação.
Procrastinar é adiar, deixar para depois, ou melhor, para o último caso, último momento ou quando realmente não tem jeito e temos que fazer.
Isso traz um sentimento de culpa, de perda de tempo e gera um incômodo, uma leve depressão que muitas vezes nem sabemos porque estamos nos sentindo assim. 
Pois então...
Será que é possível reverter essa situação? Ter consciência disso já é um primeiro grande passo.
É só lembrar: 
"Se falta de tempo não fosse só uma desculpa, o desocupados seriam pessoas de sucesso..." 
Me perdoem a falta de referência do autor da frase. Na realidade ouvi isso em algum lugar, anotei em um papel rapidamente porque achei pertinente e o recado caia muito bem para mim, mas não recordo onde ou quando.
Só não queria deixar escapar a ideia.

Até
😘
Carla Camuso


quinta-feira, 2 de março de 2017

Que floresça a sensibilidade no olhar


Quem me dera, ao menos uma vez, que o mais simples fosse visto como o mais importante... 


...dizia o saudoso Renato Russo na letra de uma de suas brilhantes canções - "Indios" (as aspas fazem parte do título, colocadas propositadamente pelo compositor).
Se buscarmos uma interpretação apropriada desse verso, dentro do contexto geral da proposta, é possível que o autor tenha se referido aos seres humanos, as pessoas mais simples que deveriam ser vistas como as mais importantes para que os benefícios governamentais se voltassem efetivamente para eles, ou para que a sociedade em si pudesse olhá-los com a empatia necessária para a construção de uma vida mais justa e igualitária. Uma bela reflexão.

Por outro lado, tirando do contexto poético musical, tive que focar no impacto da minha primeira percepção ao ver, dentro de um cenário exuberante que me circundava, essa simples espécie (foto), cuja beleza da cor contrastava com o verde de suas folhas e reverenciava a chuva que acabara de molhar toda a vegetação. Imediatamente esse verso me veio a cabeça de forma adaptada... "se o mais simples fosse visto como o mais importante", se as pessoas aprendessem a enxergar a beleza da vida nas coisas mais simples, não dariam tanto prestígio para essas doenças da modernidade como depressão, ansiedade, estresse e outras. 
Com um olhar atento e sensível é possível encontrar em qualquer ângulo da natureza a alegria de estar vivo nessa terra. 


Abraços
Carla Camuso




sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Boa dica para início de ano


Tenho um, quer dizer, dois, dez ou mais sonhos para serem realizados ainda...
E nada melhor do que a abertura de mais um ano para fortalecer a ideia de que a realização deles dependem de mim, porque já sabemos que somos responsáveis pelo que queremos fazer de nossas vidas, mas, muitas vezes não conseguimos saber por onde começar, principalmente porque supomos que o que há de melhor é difícil ou quase impossível fazer acontecer. Requer trabalho, dinheiro, dedicação, coragem e tantas coisas que vamos buscando usar como desculpa para não começar algo.
Por isso, com as facilidades da vida conectada procurei vídeos que pudessem estimular meu pensamento para essa capacidade de realização. Tem muitas coisas boas, outras nem tanto... óbvio.
Mas, dentre os bons encontrei algo bacana que fiquei realmente com vontade de compartilhar:
O canal Brainpower - Academia Cerebral, produzido por André Buric (a frase acima extrai de um de seus vídeos).
O objetivo de seu trabalho é aprendermos a reprogramar o nosso cérebro com técnicas de programação neurolinguística para que com isso possamos assumir o controle de nosso destino. Nada mal! Focarei nisso esse ano...
Obs.: Não estou sendo paga para fazer propaganda😊 , mas como digo sempre, ideias boas precisam circular. Estou fazendo a minha parte.


Link do CANAL - BrainPower - Academia Cerebral(clique aqui)



Abraços
Carla Camuso🍀


sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Receita de Ano Novo


Essa receita é super útil!!!
Carlos Drummond organizou tão bem os ingredientes em um poema que a única coisa que me resta é reproduzi-lo e desejar que cada um faça a análise de seus próprios anseios por meio dessa significativa leitura:

Receita de Ano Novo

Para você ganhar um belíssimo Ano Novo
Cor de arco iris ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com o todo tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se trabalha,
você não precisa beber champagne ou qualquer outra birita,
Não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens? passa telegramas?)

Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las nas gavetas
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança 
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo
tem de fazê-lo de novo,
eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.



FELIZ  ANO NOVO 🙌
E muita gratidão pelas lições que o ano que passou deixou.
Carla Camuso


domingo, 25 de dezembro de 2016

Natal diferente, porque não?


Olhando para  nossa realidade, nem sempre o Natal é do jeito que os comerciais, filmes, novelas e redes sociais mostram (cheio de luzes, família reunida sorridente, árvores de natal com presentes embaixo, ceia farta com peru assado, claro).
E isso gera uma certa ansiedade na pessoa que olha para os quatro cantos e só vê isso quando não se tem isso.
Não falo somente de falta de dinheiro para alimentar todo esse consumismo, mas também da falta de amizades verdadeiras, falta de ânimo, opção por não adotar a crença cristã como sua norteadora, descrença na instituição familiar que passa a maior parte do ano se ocupando com a vida dos próprios parentes (muitas vezes falando mal), ou até mesmo por não ver sentido algum em tudo o que a data comemorativa se propõe. 
Assim, a frase de Bill McKibben traz exatamente essa perspectiva: "Não existe Natal Ideal..." Você é quem cria o ideal para ti, de preferência da forma que melhor se sentir bem.
Não se preocupe se não tirou fotos para postar nas redes, se não tem o que contar quando lhes perguntam: "como passou o natal?" 
Não se preocupe... 
Seja feliz com suas opções, seja feliz por ter a liberdade de não precisar seguir o padrão social que a situação exige. 
Seja feliz por ser conhecedor de suas emoções e seus valores.
Seja feliz em ser você, com ou sem festa. 
Tudo tem seu momento certo.
Apenas mantenha a gratidão pela vida. Afinal, renascemos sempre a cada dia.

Abraço carinhoso 
e um Natal conscientemente tranquilo

Carla Camuso🌻






sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Apenas Flores



PEDRAS E FLORES

"As pessoas são muito reativas: costumam retribuir exatamente aquilo que recebem. Retribuem o bem com o bem, e o mal com o mal. Mas tu, para seres imensamente feliz, procederás diferente:

Retribua com flores a todas as pedras que te atirarem.

Haverá um momento em que as pedras de teus inimigos acabarão, e assim eles só poderão atirar em você as próprias flores que receberam de ti."

Augusto Branco*



* Augusto Branco é o pseudônimo de Nazareno Vieira de Souza, um poeta e escritor brasileiro nascido em Porto Velho




terça-feira, 22 de novembro de 2016

Sua tranquilidade depende de você


Auto controle... respira... um, dois, três!
Tem coisa melhor do que superar um atrito de forma pacífica?
As vezes penso que as pessoas esquecem o quanto somos pequenos diante da imensidão do universo e se enfurecem por qualquer bobagem, agridem com palavras, como se fossem o centro de tudo.
Uma pena, porque por experiência própria, todas as vezes que respirei fundo e falei pra mim mesmo:
"não vale a pena me estressar com tal situação", as coisas se resolveram muito mais rápido do que eu imaginava.
Bob Marley já dizia: "Prefiro perder a guerra e ganhar a paz".


Abraços🌹
Carla Camuso


sábado, 12 de novembro de 2016




terça-feira, 1 de novembro de 2016

Mudando o foco


Só um sentimento bom que me invadiu, apesar de uma série de problemas fervilhando do lado de fora.
No final das contas cheguei a conclusão que se conseguirmos controlar melhor nossos anseios, decepções, frustrações, ou qualquer outro sentimento que tenha uma carga negativa, fica muito mais fácil desenvolver as atividades diárias de forma mais leve e produtiva.
Atingir esse grau de desprendimento é desafiador, mas uma arma que funciona muito bem é mudar totalmente o foco de sua atenção para algo prazeroso, nem que seja por alguns minutos.
Coisas que nos dão prazer libera a endorfina, um neuro-hormônio produzido pelo próprio organismo na glândula hipófise. A liberação dessa substância alivia o estresse e cria a sensação de felicidade.
Quer dicas?
Comer chocolate;
Fazer exercícios físico;
Tomar sorvete com alguém que te faça feliz;
Ver vídeos engraçados (não há nada mais restaurador do que dar boas gargalhadas);
Ih... tem uma porção de coisas melhor do que se lamentar 
😂😂😂





________________________
Explicação sobre endorfina
www.assessocor.com.br


domingo, 23 de outubro de 2016


"Ser diferente" é o título de um interessante texto do Artur da Távola, jornalista, escritor, professor nascido no Rio de Janeiro. 
Chamou atenção obviamente porque me identifiquei com diversos parágrafos, especialmente por sentir nas pessoas, em vários âmbitos, um esvaziamento de opiniões próprias.  Por ver uma repetição de palavras e ações que mal sabem o que significam, agindo apenas porque a maioria está fazendo, sem discussão, sem debates, sem entendimento do porquê das coisas. 
Com o nosso país passando por uma grave crise política e econômica, penso que o momento seja propício para refletirmos sobre nossas ações. 
Quantas vezes ouvimos uma opinião e acreditamos piamente sem buscar uma contra opinião para ter um entendimento mais alargado de determinadas situações e só então, após analisarmos os prós e contras, emitirmos um parecer ? Muitos podem fazer isso, mas a maioria... ainda não. 
Enfim,  reproduzirei o texto abaixo, que se conecta perfeitamente com a imagem da flor híbrida (estou ficando especialista em produzi-las...😄 ) e a frase de Chanel: "Para ser insubstituível, você precisa ser diferente" ressaltando a importância de valorizar não aquilo que os outros tem para você ser igual mas aquilo que você tem que pode ser diferente.

SER DIFERENTE
Por Artur da Távola
(grifo nosso)

Diferente não é quem pretenda ser. 
Esse é um imitador do que ainda não foi imitado, nunca um ser diferente.
Diferente é quem foi dotado de alguns mais e de alguns menos em hora, momento e lugar errados para os outros que riem de inveja de não serem assim.
O diferente nunca é um chato. Mas é sempre confundido por pessoas menos sensíveis e avisadas. Supondo encontrar um chato onde está um diferente, talentos são rechaçados; vitórias, adiadas..... Esperanças, mortas.
Um diferente medroso, este sim, acaba transformando-se num chato. Chato é um diferente que não vingou. Os diferentes muito inteligentes percebem porque os outros não os entendem.
Diferente que se preza entende o porquê de quem o agride.
O diferente paga sempre o preço de estar - mesmo sem querer - alterando algo, ameaçando rebanhos, carneiros e pastores. O diferente suporta e digere a ira do irremediavelmente igual, a inveja do comum, o ódio do mediano.

O verdadeiro diferente sabe que nunca tem razão, mas que está sempre certo.

O diferente começa a sofrer cedo, já no primário, onde os demais, de mãos dadas, e até mesmo alguns adultos, por omissão, se unem para transformar o que é potencial em caricatura. O que é percepção aguçada em: "puxa, fulano, COMO VOCÊ É COMPLICADO".

O que é o embrião de um estilo próprio em: "você não está vendo como todo mundo faz?"

O diferente carrega desde cedo apelidos que acaba incorporando. Só os diferentes mais fortes do que o mundo se transformaram nos seus grandes modificadores. 

Diferente é o que vê mais longe do que o consenso. O que sente antes mesmo dos demais começarem a perceber.

Diferente é o que se emociona enquanto todos em torno, agridem e gargalham.

É o que engorda mais um pouco; chora onde outros xingam; estuda onde outros burram. Quer onde outros cansam. Espera de onde já não vem. Sonha entre realistas. Concretiza entre sonhadores. Fala de leite em reunião de bêbados. Cria onde o hábito rotiniza. Sofre onde os outros ganham.

Diferente é o que fica doendo onde a alegria impera. Fala de amor no meio da guerra. Deixa o adversário fazer o gol, porque gosta mais de jogar do que de ganhar. 

Os diferentes aí estão: enfermos, paralíticos, machucados, inteligentes em excesso, bons demais para aquele cargo, excepcionais, narigudos, barrigudos, joelhudos, de pé grande, de roupas erradas, cheios de espinhas, de mumunha ou de malícia.

Alma dos diferentes é feita de uma luz além. Sua estrela tem moradas deslumbrantes que eles guardam para os pouco capazes de os sentir e entender. E....nessas moradas estão tesouros da ternura humana. De que só os diferentes são CAPAZES.


Seja diferente
Seja você
Carla Camuso 🌺


quinta-feira, 20 de outubro de 2016



Embalada nos versos de Gil, me deparei com a paz, sentimento demonstrado pelo autor de forma tão paradoxal...

"...A paz fez um mar da revolução
Invadir meu destino; 
A paz
Como aquela grande explosão
Uma bomba sobre o Japão
Fez nascer o Japão da paz

...Que contradição
Só a guerra faz
Nosso amor em paz..."

(A paz - Gilberto Gil)

Como estabelecer uma conexão entre essas ideias tão divergentes? 

Me ocorreu que, em meio a um irredutível maniqueísmo humano que está sempre forçando a divisão das pessoas em: "gente do bem" e "gente do mal",  chego a conclusão que enquanto esse pensamento reinar, o estabelecimento da paz dificilmente será concretizado em qualquer ambiente. 
Isso por que ambos os lados se auto denominam do bem.
Por outro lado, do mal sempre será aquele que não pensa igual a quem se denomina do bem. Então, todos serão do bem e do mal ao mesmo tempo, porque temos diferentes maneiras de pensar.
Só muda o ponto de vista.

Entretanto, (é nesse enfoque que a contradição de Gil faz todo sentido) esse ciclo se quebra quando algo trágico,  que afeta a todos sem distinção, acontece. Em um momento catastrófico todos se unem em prol de soluções. Por instantes, a paz humana reina...

Bom, independente do contexto geral,  há a possibilidade de desenvolvermos no mínimo a nossa paz interior. Basta não permitirmos que as ideias negativas alheias nos afetem.


Abraços pacíficos ✌️✌️✌️
Carla Camuso


sábado, 15 de outubro de 2016

Dia do professor

Educador, mestre, docente, facilitador, catedrático, instrutor, mentor ou simplesmente PROFESSOR... são só denominações atribuídas à quem dedica grande parte de seu tempo compartilhando conhecimento,  auxiliando pessoas a construir um futuro digno. 
Me orgulho muito de fazer parte desse grupo e mais ainda das pessoas que se tornaram grandes profissionais ao respeitar e valorizar o conhecimento adquirido.

Gratidão...
Carla Camuso
 


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Reflexão Machadiana



De origem humilde, filho de um mulato e de uma lavadeira portuguesa, Machado de Assis(1839-1908) se tornou o maior escritor brasileiro de todos os tempos. Em suas biografias geralmente constam características como "moleque de morro", "magro", "franzino", "doentio". Mas nada disso o impediu de se tornar o grande e reconhecido escritor, um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras e seu primeiro presidente.
Espantosamente, ou não,  Machado adquiriu a sua ampla e admirável cultura de forma autodidata. 

Memórias Póstumas de Brás Cubas, Helena, Quincas Borba e o inesquecível Dom Casmurro escrito em 1900, são algumas obras de destaque, além de contos, poesia, teatro, crítica (Monteiro Lobato o reconhece como o primeiro crítico literário do Brasil).

É dentro desse contexto que podemos encontrar também aforismos de grande valia para nossa vida cotidiana, a exemplo do citado na imagem:

"A Arte de viver consiste em tirar o maior bem do maior mal"

Não é uma simples frase, bonita de se pronunciar ou virar epígrafes de trabalhos acadêmicos.  É uma reflexão dita com conhecimento de causa.
De um turbilhão de problemas podemos extrair grandes soluções e aprendizados. Foi isso que ele fez. É isso que devemos pelo menos tentar fazer... ao invés de se lamentar a cada infortúnio que nos deparamos.
Grande exemplo... excelente inspiração para os dias de hoje  



Aquele abraço 😉
Carla Camuso 





Fontes
Claret, M. Machado de Assis. Vida e Pensamentos. Ed. Mar-tin Claret Ltda. São Paulo SP 1996.
Meyer, Augusto. Machado de Assis (1935-1958). 4. Ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.